Tempo Geológico - parte 1

Os cientistas dividiram a idade do nosso planeta em intervalos de tempo, chamados de Tempo Geológico. Esse intervalo vão de aproximadamente 4,5 bilhões de anos, até os dias atuais, assim, se tem varias divisões chamadas de unidades cronoestratigráficas: éons, eras, períodos, épocas e idades.

Antes de destrincharmos o tempo geológico, precisa-se compreender o significado das respectivas palavras;

-Supereon:  Existe apenas um supereon, o Pré-Cambriano. Este nome compreende o conjunto dos três éons mais antigos da história do nosso planeta (Hadeano, Arqueano e Proterozoico), intervalo que abrange nada menos que 7/8 da história da Terra.
-Éons: é a maior unidade de tempo geológico, remete a uma quantidade de tempo muito grande.
-Eras: hierarquizadamente abaixa dos éons, sendo caracterizada pelo modo como os continentes e oceanos se distribuíram, e como os seres vivos nela se encontravam.
-Períodos: é uma divisão das eras, sendo também, a unidade fundamental na escala de tempo geológico.
-Épocas: intervalos dentro de tempo dentro dos períodos.
-Idades: categoria hierarquizada mais inferior, possui duração máxima de 6 milhões de anos, podendo ser menor que 1 milhão de anos.

Assim, pode-se observar as respectivas divisões:


Escala de Tempo Geológico

Fonte: Geocultura.net
*Observação: os valores presentes na tabela é de ordem aproximada!

Observado como se configura as unidades cronoestratigráfica, será explanado os acontecimentos mais relevantes presente durante o pré-cambriano;

Para ter acesso aos principais acontecimentos do éon fanerozoico, fique atento no sobregeologia! o artigo sairá em breve!


Éon Hadeano

Fase inicial de formação da terra há 4,54 bilhões de anos, que corresponde também ao início da formação dos planetas do nosso sistema solar. Terminando em aproximadamente 3,85 bilhões de anos, que corresponde também a formação das primeiras rochas.

Éon Arqueano


O início dessa fase se deu há 3,85 bilhões de anos, no qual se têm a formação das primeiras rochas, terminando há 2.5 bilhões de anos.

O interior da Terra, no início dessa fase, era muito quente, com um fluxo de cerca três vezes maior de calor quando comparado a hoje. Porém, o Sol era 1/3 menos quente que hoje, então compensava a alta temperatura no seu interior, logo, cientistas acreditam que a temperatura na superfície era muito parecida com a que temos atualmente. Como os processos de metamorfismo acaba por apagar os registros históricos de formação das rochas, são poucas as rochas que existem hoje, formadas nesse éon, sendo as mesmas, principalmente ígneas intrusivas e metamórficas.

A vida surge no Arqueano, tendo em vista, que foi observado a presença de organismos unicelulares primitivos, que não apresentam seu material genético delimitado por um membrana, sendo as cianobácterias, que ficaram preservadas após formarem um tapete, formando assim os estrolmatólitos.  Entretanto, os eucariontes (animais em que o núcleo está rodeado por uma membrada) podem ter existido nesse período, porém não há registro dos mesmos em rochas dessa fase.

O Arqueano divide-se em quatro eras:

Eoarqueano (3,85-3,6 bilhões de anos), fase em que a Terra era bastante bombardeada por meteoritos.

- Paleoarqueano (3,6 a 3.2 bilhões de anos), quando surgiram os primeiros continentes. Mais para o final desta era, pode ter se formado um supercontinente, chamado Vaalbara. Apesar de alguns cientistas considerarem que não haviam placas tectônicas se movendo, outros consideram que sim, e que sua movimentação era intensa. Há bactérias de 3,46 bilhões de anos bem preservadas encontradas na Austrália.

- Mesoarqueano (3,2 a 2,8 bilhões de anos). No final desta era, o supercontinente Vaalbara começou a se partir. Os estromatólitos proliferavam na Terra.

- Neoarqueano (2,8 a 2,5 bilhões de anos). Era em que a tecônica de placas pode ter sido bastante similar à de hoje. Há bacias sedimentares bem preservadas e evidência de fraturas intracontinentais, colisões entre continentes e eventos orogênicos de âmbito global bem disseminados. Pode ter surgido e sido destruído um supercontinente, se não vários. A água era predominantemente líquida e havia bacias oceânicas profundas que dariam origem a formações ferríferas bandadas, depósitos de chert, sedimentos químicos e basaltos na forma de pillow lavas (lavas em forma de almofadas).

Éon Proterozoico

O proterozoico começou há 2.5 bilhões de anos e estendeu-se até 542 milhões de anos atrás. São dessa época que rochas como as que formam o Gran Canyonm no Colorado (EUA).

Fase em que o oxigênio se acumulou na litosfera, formando óxidos, principalmente de silício e ferro. As camadas de óxido de ferro formaram-se sobre tudo em torno de 2.5 a 2 milhões de anos.

Os primeiros seres eucariontes preservados surgem nessa fase.

Cerca de 900 milhões de anos atrás os continentes estavam reunidos numa única massa, chamada Rondínia, que acabou se fragmentando no final desse éon, originando os paleocontinentes Laurentia, Báltica, Sibéria e Gonduana.

O proterozoico é dividido em três eras:

- Paleoproterozoico (de 2,5 a 1,6 bilhões de anos), quando surgiram os primeiros seres eucariontes.

- Mesoproterozoico (de 1,6 a 1,0 bilhão de anos). Era em que se formou o supercontinente Rodínia e surgui a reprodução animal sexuada.

- Neoproterozoico (1,0 bilhão de anos a 542 milhões de anos). No final dessa era, termina o éon proterozoico e a longa fase da história da Terra que se chamava recentemente de Pré-Cambriano.

Dos períodos desse éon, merece destaque o mais recente, O Ediacarano, pela importância dos fósseis encontrados em rochas de Ediacara, no sul da Austrália, a chamada Biota Ediacarana. Ali, animais multicelulares marinhos, depois descobertos também em outras regiões, viveram cerca de 700 milhões de anos atrás. Aparentemente, esses animais sofreram extinção em massa ainda nesta era. O Neoproterozoico era chamado, até recentemente, de Vendiano.


Assim, se dá o fim do primeiro artigo sobre a história geológica da Terra. Continue acompanhando o sobregeologia para ter acesso ao artigo que abordará o Éon Fanerozoico, além de outros temas geológicos diversos.



Referências:

  • CPRM. Breve historia da terra. Disponível em: <http://www.cprm.gov.br/publique/redes-institucionais/rede-de-bibliotecas---rede-ametista/canal-escola/breve-historia-da-terra-1094.html>. Acesso em: 21 out. 2017.


  • MUNDO EDUCAÇÃO. Escala tempo geologico. Disponível em: <http://mundoeducacao.bol.uou.com.br/geografia/escala-tempo-geologico.htm>. Acesso em: 21 out. 2017.


  • WIKIPEDIA. Escala de tempo geológico. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/escala_de_tempo_geol%c3%b3gico>. Acesso em: 21 out. 2017.





Artigo escrito e editado por Mauricio Almeida